terça-feira, 27 de dezembro de 2011

A HORA E VEZ DAS RETROSPECTIVAS

             Se existe algo que me tira a paciência são as tais retrospectivas de final de ano. Retrospectiva dos grandes desastres, dos grandes roubos, dos grandes acidentes, das grandes tragédias, enfim de tudo que é de ruim. Não que isso não deva ser mostrado. É demais. Negativo demais. Deveriam também fazer retrospectivas dos grandes gestos, dos grandes amores, dos grandes beijos, dos grandes romances, das grandes bondades, das grandes virtudes. Mas parece que o negativo vende muito mais. Parece não, é a pura realidade. Querem um exemplo. Que já viu a seguinte manchete em jornais, telejornais, blogs ou outras mídias. “SENHOR ATRAVESSA IDOSA EM ESQUINA PERIGOSA”. Nunca, nunquinha, jamé vocês verão essa manchete. Já “HOME EMPURRA VELHA NA ESQUINA DA MORTE         isso vira uma grande notícia. É a nossa índole de adorar tragédias e coisas ruins.
            Quando acontece da retrospectiva sobre esporte eu me animo. Ai vem aquele jogo que o meu time perdeu quando não podia. É dose, ou eu sou um pé frio em retrospectivas.
            Enfim estou mudado de canal com tanta retrospectiva. Isso não vai mudar absolutamente nada o que aconteceu. Mas pelo menos não me incomodo tanto.
            Já ia esquecendo. Quero convidar a todos para uma retrospectiva que vou apresentar aqui no blog sobre os meus piores momentos como blogueiro. Brincadeirinha pessoal, brincadeirinha.
            Que Deus abençoe a todos aqueles que acessaram o meu blog em 2011 e os que não acessaram também. Desejo que todas as retrospectivas só tragam beijos, amores, felicidades, coisas boas para todos nós em 2012. Um beijo no coração de todos. Que a paz, a saúde, o amor, e a felicidade estejam presentes sempre.

PROFº FUMAÇA GENRO
PROGRAMA MÚSICA PURA TODOS OS SÁBADOS DAS 17h00min ÀS 19h00min, NA RÁDIO PARECIS 690 AM, A VOZ QUE VAI MAIS L

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

ALGUMAS FRASES DO GENIAL “MILLÔR”

Anatomia é uma coisa que os homens também têm, mas que, nas mulheres, fica muito melhor.

Nunca tantos deveram tanto a tão porcos.

Só louco rasga dinheiro? Bobagem. Nem louco rasga dinheiro. Experimente jogar uma nota de cinquenta reais (ou mesmo de um!) num pátio de insanos. A briga vai ser feia.

Bhundismo da semana: Menina, a caridade é mais importante do que a castidade. Dê para um desempregado.

Um recém-nascido é a prova de que a natureza ainda não desistiu do ser humano. Já os pró-aborto. Já os pró- eutanásia.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

É IMPRESSIONANTE A FORÇA QUE DETERMINADA PARTE DA IMPRENSA . PARTE QUERO DIZER VEJA, GLOBO, ESTADÃO E OUTRAS PARA NÃO FALAREM SOBRE O LIVRO "A PRIVATARIA TUCANA" DE AMURY JUNIOR RIBEIRO SOBRE AS PRIVATIZAÇÕES NO GOVERNO DE FERNADO HENRIQUE CARDOSO E SOBRE ALGUNS NEGÓCIOS FANTÁSTICOS DO EX-GOVERNADO JOSÉ SERRA. SERIA DE RIR SE O ASSUNTO NÃO FOSSE TÃO SÉRIO.

NETO NÃO É PARENTE

O véio Boni disse que neto não é parente e eu digo que acaju não é cor de cabelo de homem...

          "Meu avô dizia: neto não é parente", disse José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, em entrevista à revista "Quem". O homem responsável por criar o padrão de qualidade da Rede Globo revelou que não é tão ligado aos netos e que mantém relação distante, inclusive, das noras, a exemplo das atrizes Ana Furtado e Fernanda Pontes. "Tenho uma teoria: não conheço nem a família nem a mulher do Boninho (a atriz e apresentadora Ana Furtado). Como é que filho dele pode ser meu parente?", indaga-se Boni.
Em entrevista à revista "Isto É Gente", Boni repetiu o mesmo discurso ao ser perguntado como era seu lado avô, mas explicou-se: "Acho que é uma defesa afetiva, restrinjo minhas preocupações aos filhos", afirma ele que confessa: "Eu sou um avô que presta uma assistência, mas não vem com esse negócio de vovozinho, de brincar comigo, encher a casa de neto, que não quero nem saber".
“Boni é pai de Boninho, diretor do “Big Brother Brasil”, de Diogo, empresário, de Regina Helena e de Bruno Boni, ator.”.
              O texto acima foi retirado do site calcinha no box.

            A partir desse parágrafo eu assumo a responsabilidade pra dizer que o Sr. José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni é uma renomada besta. Não sabe ele o que está perdendo ao deixar de conviver com seus netos. Não importa quem ele seja, nem o que tenha feito. Com certeza ele nunca recebeu nem vai receber um abraço da Ana Carolina, do Pedro, da Joana nem um sorriso da Beatriz meus netos pelos quais sou verdadeiramente apaixonado. Quem nunca conviveu com seus netos e ainda se orgulha repito é um bobalhão. Claro que ele tem todo o direito de dizer o que quer e ser o que quer, mas que um babaca a isso é. Até porque quem reconhece depois de anos que editou o debate do Collor e do Lula e tem o desplante de dizer que isso não alterou o resultado das eleições, contrariando a ele mesmo que é um dos responsáveis pela hegemonia da Globo é um bobalhão, para ficar só neste nível.
PROFº FUMAÇA GENRO
RÁDIO WWW.musicapura.listen2myradio.com
PROGRAMA MÚSICA PURA TODOS OS SÁBADOS NA RÁDIO PARECIS 690 AM DAS 17h00min ÀS 19h00min.

NESSA QUINTA_FEIRA DEIXO VOCÊS COM O MESTRE DO SAMBA JORGE ARAGÃO.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

NATAL!

          Não vou usar o ORKUT, o FACE, o MSN, o TWINTER, YOUTUBE  nem uma plataforma midiática para este NATAL. Simplesmente desejo que todos aqueles que me deram o prazer de acessar este blog tenham saúde, paz, amor, felicidade e Deus no coração. Isto basta para que este NATAL seja lembrado eternamente.



PROFº FUMAÇA GENRO
PROGRAMA MÚSICA PURA NA RÁDIO PARECIS 690 AM TODOS OS SÁBDOS DAS 17: ÀS 19:00.

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

PARABÉNS A TODOS. VOCÊS SÃO PESSOAS ILUMINADAS E MERECEM SEREM APLAUDIDAS EM PÉ.

          Como me considero uma pessoa completamente desprovida de talento para cuidar de uma pessoa com necessidades especiais, tenho uma imensa admiração por aqueles que têm este dom, pois para mim é um dom.
          Quero aqui enviar meus abraço, minha reverência a todas as pessoas que trabalham na APAE. E parabenizar pelos 31 anos do início das atividades aqui em Diamantino.
          Não vou citar nomes para não ser injusto e esquecer de alguém. Todos merecem nosso aplauso, nossa reverência, nosso agradecimento, mesmo que nunca tenhamos precisado dos serviços desse anjos enviados por Deus.  
           A todas as pessoas que por algum tempo exerceram a presidência dessa entidade meu parabéns, minha admiração.
            Falei que não tenho nenhuma aptidão no trato com pessoas com necessidades especiais e cometi um erro. Minha irmão Dorvalina é uma desses seres especiais e a mais de 50 anos eu convivo com essa pessoa estupenda, de difícil trato em alguns  poucos momentos, mas um anjo que ajudou a mim e a Helô a criar nossas filhas e na nossa vinda para Diamantino ela foi, é e será sempre fundamental.
            Mais uma vez parabenizo a todos e todas pelo trabalho estupendo que realizam. Que Deus abençoe vocês nessa missão divina.

PROFº FUMAÇA GENRO
PROGRAMA MÚSICA PURA NA RÁDIO PARECIS 690 AM TODOS OS SÁBADOS DAS 17:00 ÀS 19:00.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

ENGANARAM A TODOS NÓS!

              Eu sabia que havia alguma coisa que não estava certa. Tinha algo errado. Fui aos poucos prestando mais atenção nas imagens. Ficando atendo nos lances. Vendo as nuances (essa é boa). Enfim depois de certo tempo concluí com absoluta certeza. Enganaram a todos nós. Todos que eu falo são os espectadores, os torcedores, os comentaristas esportivos, o articulistas engajados, os secadores de plantão.
            Vou agora revelar a enganação. Tudo não passou de um videogame, de um joguinho virtual, desses adquiridos nas bancas de importados, nos shoppings, enfim em lojas especializadas. Estou falando de BARCELONA e Santos. O porquê dessa minha conclusão. Simplesmente porque tudo que aprendi que li, que me fizeram acreditar tem um que ou muito de falsidade.
            Como pode não ser virtual um time que joga com dois ponteiros e esses ponteiros não cruzam. A prova da virtualidade nesse ponto está que houve uma só bola cruzada e uma cabeçada e a cabeçada foi de um rebote do goleiro. É virtual. É um joguinho. Só pode ser. Outra prova. Onde se viu um time sem centro avante? Ou melhor, com muitos, com tantos? É virtual. É um joguinho. Outra. Como pode um time com um só volante (e que volante) e sem nenhum quebra bola, sem nenhum brucutu? É virtual. É joguinho. Mais. A jogada de chaleira em um dos gols é com certeza obra de um programador desses joguinhos. Talentoso ele. Mas é virtual. É joguinho. O Toque do Messi no seu primeiro gol é obra desse mesmo programador. Portanto é definitivo, é verdade verdadeira. É joguinho. É virtual. Não pode ser verdade. As provas são demais. E ainda tem outra, os programadores ainda deram um que de bondade ao jogo, não deixam eles tripudiarem sobre seus adversários dando toquinhos inúteis, fazendo embaixadinhas sem sentido, provocando seus adversários, eles simplesmente jogam.
            Vou fazer um pedido encarecido à direção do meu COLORADO para que ela adquira umas cem cópias desse joguinho pra distribuir entre os jogadores da base, entre os técnicos, entre os profissionais, entre todos os dirigentes sejam eles amadores ou profissionais, entre os representantes dos jogadores, enfim a todos envolvidos com o futebol. Na compra desses DVDs devem ser exigido que os extras estejam presentes, que mostrem a todos que um craque mesmo virtual, mesmo de joguinho saiba que futebol é um jogo coletivo. Que não se deixa um companheiro só contra três ou quatro adversários, que até o craque deve ser solidário. Que quando o coletivo ganha, todos ganham. Que passe certo evita o desgaste de correr atrás do erro. Que posse de bola não ganha jogo, mas ajuda muito especialmente quando todos se ajudam. Após a compra desses DVDs a direção deve cobrar diariamente o cumprimento das tarefas TODAS. Menos colares no pescoço e mais bola no pé. Deve cobrar muito de alguns técnicos que grito na beira do campo não ganha jogo, que é jogo para a TV e para a torcida. Que falta de educação em entrevistas não ganha jogo, aliás, em qualquer situação falta de educação não leva a nada. Deve cobrar de certos técnicos que após os jogos como o de domingo dizer que nada vai ficar é uma demonstração de arrogância para não dizer burrice, que querer dividir a culpa com quem quer que seja não leva a absolutamente nada. Que intimidar jovens jogadores com cobranças burras não os transforma em atletas nem os torna melhores, nem piores, apenas os diminui. Os dirigentes devem também olhar com muita atenção nos extras à parte que lhes cabe nesse latifúndio. Trocar de técnico toda hora, não leva a nada, a não ser pagar todos ao mesmo tempo gastando o que não pode e não deve. Que contratar um técnico que tenha mais poderes que a própria direção é erro grave. Que pagar 300, 400, 500, 600, 700, 800 ou mais para um técnico não significa competência e que o dinheiro senhor dirigente não é seu. O que para quem fala em futebol empresa é no mínimo um enorme equívoco.  Que ficar sem técnico durante um mês em um campeonato de pontos corridos é uma burrice sem precedentes. Enfim o DVD do joguinho deve ser aproveitado ao máximo para tirarmos lições que nos ajudem a construir um futebol melhor, mais alegre e claro ganhador. Encerrando, nunca mais tenham dúvidas sejam elas quais forem de que o baixinho virtual, o tal de Messi não joga bola, se as ainda tiverem devem ir para... Desculpe a falta de educação eu ia dizer para Marte.
            Quase ia esquecendo de deixar o nome do DVD. É BARÇA SHOW, disponíveis nas boas casas do ramo (sempre sonhei em escrever esse final, boas casa do ramo).

PROFº FUMAÇA GENRO
PROGRAMA MÚSICA PURA TODOS OS SÁBADOS DAS 17h00min ÀS 19h00min NA RÁDIO PARECIS 690 AM, A VOZ QUE VAI MAIS LONGE.

L. F. VERISSIMO-RETIRADO DO JORNAL ZERO HORA DE POA. HOJE_19/12/2011. Bons e maus darwinistas

  Darwinistas bem pensantes se vêm frequentemente obrigados a explicar que aceitar tudo que Darwin disse a respeito de seleção natural, sobrevivência dos mais fortes etc. não significa acreditar que o que se aplica aos animais também se aplica aos homens. Ou seja, darwinismo social, não.

           O próprio Richard Dawkins, o darwinista mais conhecido em atividade hoje, já disse em mais de um dos seus textos ser possível viver num universo amoral, o universo darwiniano em que a única regra é a vitória do que ele mesmo chama de “gene egoísta” na competição pela vida, e cobrar da sociedade humana um comportamento moral.

           Darwinistas mal pensantes, claro, não precisam explicar nada. Para eles o darwinismo social justifica mercados desregulados, empreendedores aéticos e todas as manifestações do gene egoísta que tornam o capitalismo selvagem parecido com o mundo natural. Darwin só não ganhou seu lugar na galeria dos heróis da livre empresa, ao lado do Adam Smith, porque são raros os poderosos e endinheirados que não atribuem sua boa fortuna a Deus, em vez da evolução.

           Mesmo antes de Darwin nos dar a incômoda notícia de que todos descendíamos de macacos (menos os meus antepassados, que foram adotados) e que pertencíamos a uma espécie tão sem caráter quanto qualquer outra, essa divisão entre o que éramos e o que pretendíamos ser já existia. O capitalismo moderno e a moral burguesa nasceram juntos e desde então vêm coexistindo nem sempre pacificamente. Há muito tempo vivemos em dois universos simultaneamente, um em que o poder do dinheiro tudo determina, da nossa vida política à nossa digestão – com picos de ganância sem controle do capital financeiro como o que originou a crise atual – e outro em que ignoramos esta omnipotência e nos imaginamos seres racionais e até altruístas, ou em nada parecidos com um macaco egoísta.

           Uma forma do bom darwinista conciliar sua crença na evolução amoral das espécies e sua crença de que o Homem é diferente é cultivar a ideia de que o desenvolvimento da consciência humana foi, mais do que uma evolução natural, uma mudança radical na história dos habitantes deste planeta. Como nenhum outro bicho, somos conscientes de nós mesmos, do nosso passado e dos nossos possíveis futuros. Consciência não muda o poder do dinheiro nem assegura um comportamento moral da nossa espécie – ainda. Mas nos próximos milhões de anos, quem sabe?

A evolução ainda não terminou.

domingo, 18 de dezembro de 2011

DIVINO, ESPETACULAR, DESLUMBRANTE, ESTONTEANTE.

             Para alguém como eu apaixonado pelo futebol foi como diz o título deste texto foi divino, espetacular, deslumbrante e tudo mais em elogios ao jogo Barcelona e Santos, na realidade quase só Barcelona. Mesmo torcendo pelo Santos é impossível não se apaixonar por este Barça, eles são tudo aquilo que eu entendo como bom futebol.
            O que fica de bom para nós brasileiros, em especial aqueles que como nós adoramos futebol?  E ainda mais tenham uma paixão como a minha pelo COLORADO, ou por qualquer outro clube. Fica certo gosto de quero mais na boca, de um ciúme, de um é possível.
            Gostaria que os jogadores do meu clube tivessem a humildade de todos os dias, ou pelo menos uma vez por semana olharem o filme desse jogo e outros do Barça para aprenderem como um craque pode se doar sem deixar de ser craque, sem perder a majestade (ESPETACULAR MESSI E TODOS OS OUTROS). Alguns pernas de pau dos nossos clubes só jogam com a bola nos pés ou quando essa chega até eles. Esse Barça mostra que futebol é COLETIVO e óbvio com as individualidades espetaculares, mas todos se doando. Um por todos e todos por um, nunca a frase do Três Mosqueteiros de Alexandre Dumas valeu tanto, claro no futebol. Espero que tudo isso sirva de lição para os jogadores brasileiros que sempre se acham a última bolacha do pacote.
            Algo que me chamou a atenção é aqueles que gastam em foguetes mesmo não sendo seu time que joga. Torcer contra o Santos no caso é um direito de qualquer um, mas foguete. É de uma babaquice estupenda para não dizer estúpida. É de uma pequenez de pensamento, de uma idiotice que não tem tamanho. Está certo que eu sou contra foguete em qualquer situação e talvez não seja a pessoa mais indicada para falar nesse assunto. Mas que é babaquice isso é. E que me desculpem os fogueiros de plantão, mas pensar é fundamental.

PROFº FUMAÇA GENRO
PROGRAMA MÚSICA PURA TODOS OS SÁBADOS DAS 17h00min ÀS 19h00min NA RÁDIO PARECIS 690 AM

sábado, 17 de dezembro de 2011

FOI UM ANO !


            Se eu disser que foi um ano terrível estaria esquecendo algo extraordinário, indescritível, inenarrável, apaixonante! O que?
            O nascimento de uma luz. De uma vida. De uma figura maravilhosa. Um acontecimento espetacular como foram a Ana Carolina, o Pedro, a Joana. Mas sempre é MARAVILHOSO saber que podes receber algo como o Antônio João e a Aline nos presentearam com a chegada a Beatriz. Aproveito e agradeço de todo meu coração.
            Perdemos muito. O Tafa, o Crescêncio agora quase no final do ano. Perdas essas terríveis em todos os sentidos. Em especial a do Tafa por ser aquele que morreu sem ter vivido. O Crescêncio viveu, lutou, ganhou muito, mas muito mais do que perdeu. Mas viveu e deixou um imenso legado, com seus filhos maravilhosos. Bem educados e criados e com a consciência de que uma vida honesta é uma vida que orgulha a todos, mas em especial a quem fica e vê que certas coisas são mais importantes do que só ter.
            Já o Luiz Fernando na sua ida antes do combinado deixa a todos uma pergunta que jamais será respondida. Por quê?
             Da ida do Tafa para mim fica o retorno de uma amizade que por alguns motivos tinha sido deixado de lado que é a amizade com o Evandro e que ele deve ter pensado. Pô caras vocês são adultos (?). Conversem. Discutam. Coloque em ordem algo que foi construído em momentos difíceis e que merece que esqueçam essas imensas besteiras e voltem a serem o que foram. Grandes amigos. Obrigado Tafa. Só não precisava ir para que isso acontecesse. E ai onde estás, ao lado do cara, me perdoa por ser tão idiota e estúpido ao ponto de ver que a vida é tão curta para que sejamos bestas como fui.
            Vou te fazer mais pedido meu afilhado. Aproveita que podes falar com o cara sem intermediários e faz com que ele entre no coração de algumas pessoas e faça com que elas entendam que o ódio, a raiva, o rancor, e outros sentimentos iguais ou piores que esses sejam varridos de seus corações. Que essas pessoas incapazes de perdoar mesmo na dor da perda, recebam a luz do perdão e sejam capazes de olhar seus próprios erros e dizerem a mesma frase que Jesus já falou a muitos e muitos anos, mas que nunca perdeu sua validade. Perdoa-me Senhor. Eu não sabia e não sei o que faço. Deixa o amor entrar em meu coração e transforma todos esses sentimentos ruins e perniciosos em muito amor. Porque só isto é capaz de me dar à paz que eu tanto procuro. Como não posso terminar como uma carta qualquer deixo aqui meu filho um pedido. Interceda por nós ai com o cara. Diz para ele que como seres humanos são falíveis (mesmo que ele esteja careca de saber) e as besteiras que andamos fazendo vamos pelo menos tentar corrigir. Um beijo no teu coração e carrega a certeza pela eternidade que fostes muito amado por todos nós que ficamos e choramos a tua ida antecipada.

Profº Fumaça Genro
           

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

PENSEI QUE ERÁS ETERNO TICA TICA !

             Perder um parente é difícil, é mais difícil ainda um parente amigo, um irmão como foi e vai continuar sendo o Crescêncio falecido hoje em Santa Maria/RS.
            Saudade é uma palavra fácil para descrever o que todos nós iremos sentir com a tua falta. É um sentimento de dor, de perda, de algo que aquecia nossos corações com suas palavras, suas brincadeiras e até nas nossas discussões sobre política, sobre futebol e outras coisas nada importantes que pudessem abalar essa nossa amizade que é um amor sem as cobranças do amor físico.
            As lembranças; o início do meu namoro com a Helô, os almoços de domingo, o intervalo do Pão dos Pobres, o cigarro que faltou e pegamos os teus podres, nossas conversas de baixo das árvores na casa nova, nossos natais e fins de ano, a despedida de solteiro são momentos inesquecíveis, momentos que nos tornam realmente humanos.
            Mana, Sandra, Cássia, Paulinho, Áurea, Dudu, Bruno e a todos ai na terra da Nossa Senhora Medianeira que conviveram e amaram o Tica Tica. Dizer para serem fortes é uma imensa bobagem. Sejam fracos e chorem tudo o que tiverem direito, as lágrimas auxiliam a limpeza da alma. Sermos fortes é termos a capacidade, de expressarmos nossas dores, nossos sentimentos. Estamos todos aqui ao lado de vocês, não é a distância física que nos separa, capaz de impedir que nossos corações se unam em uma prece pedindo a Deus que receba o Crescêncio de braços abertos, mesmo sabendo ele ter quem avise o homem lá de cima que está vindo, está chegando ao céu O CARA.
            Um grande abraço a todos, e que ao invés de pensarmos numa perda mesmo que seja verdade, pensemos que é mais um que estará intercedendo por nós junto a quem realmente determina as coisas.
            Pedimos todos daqui do Mato Grosso desculpas por não estarmos fisicamente presentes, mas tenham a ABSOLUTA CERTEZA que nossos pensamentos, nossos corações vão estar sempre com vocês.
JOSÉ WALDEMAR MALLMANN GENRO
ELOINA DA SILVA GENRO
CAMILE DA SILVA GENRO
ALINE DA SILVA GENRO
MARIA CLARA DA SILVA GENRO
DORVALINA CHAVES
ANA CAROLINA GENRO
PEDRO GENRO
JOANA GENRO
BEATRIZ GENRO
ROBERTO CAMILO
ANTONIO JOÃO DA SILVA PEREIRA
RODRIGO CAMILO
             

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

ESTE LIVRO DEVE SER LIDO COM MUITA ATENÇÃO PARA QUE POSSAMOS SABER DETALHES QUE UMA DETERMINADA PARTE DA MÍDIA (GRANDE PARTE) ESCONDE DE TODOS NÓS. PORQUE? NÃO SEI MAS QUE ESCONDE, A ISSO ESCONDE. CABE A VOCÊS ENTENDEREM O PORQUE

Um sucesso de vendas e um muro de silêncio
Publicada terça-feira, 13/12/2011 às 10h05min e atualizada terça-feira, 13/12/2011 às 10h39min.
Por Maria Inês Nassif, na.
O livro “A Privataria Tucana”, de Amaury Ribeiro Jr., foi lançado há quatro dias e já é um fenômeno de vendas cercado por um muro de silêncio. Produto de doze anos de trabalho – e, sem dúvida, a mais completa investigação jornalística feita sobre o submundo da política neste século -, o livro consegue mapear o esquema de corrupção e lavagem de dinheiro montado em torno do político tucano José Serra – ex-deputado, ex-senador, ex-ministro, ex-governador, ex-prefeito e candidato duas vezes derrotado à Presidência da República. De quebra, coloca o PT em duas saias justas. A primeira delas é a constatação de que o partido, no primeiro ano de governo Lula, “afinou” diante do potencial de estrago da CPMI do Banestado, que pegou a lavanderia de vários esquemas que, se atingiam os tucanos, poderiam também resvalar para figuras petistas. O segundo mal-estar com o PT é o ultimo capítulo do livro, quando o autor conta a “arapongagem” interna da campanha do PT, que teria sido montada para derrubar o grupo ligado ao mineiro Fernando Pimentel da campanha da candidata Dilma Rousseff. Amaury aponta (como ele já disse antes) para o presidente do partido, Rui Falcão. Falcão já moveu um processo contra o jornalista por conta disso. O jornalista mantém a acusação.
Ao atirar para os dois lados, o livro-bomba do jornalista, um dos melhores repórteres investigativos do país, acabou conseguindo a façanha de ser ignorado pela mídia tradicional e igualmente pelo PT e pelo PSDB. O conteúdo de seu trabalho, todavia, continua sendo reproduzido fartamente por sites, blogs e redes sociais. Esgotado ontem nas livrarias, caminha para sua segunda edição. E já foi editado em e-book.
Os personagens do PSDB são conhecidos. O ex-caixa de campanha de Serra e de FHC, Ricardo Sérgio de Oliveira, aparece como o “engenheiro” de um esquema que operou bilhões de dólares durante as privatizações e os dois governos de Fernando Henrique Cardoso. A mesma tecnologia financeira usada por Oliveira foi depois copiada pela filha de Serra, Verônica, e seu marido, Alexandre Burgeois. Gregório Marin Preciado surge também como membro atuante do esquema. Ele é casado com uma prima do tucano nascido na Móoca, ex-líder estudantil e cardeal tucano.
Embora esteja concentrado nesse grupo específico do tucanato – o empresário Daniel Dantas só aparece quando opera para o mesmo esquema -, o livro não poupam gregos, nem troianos. A documentação da Comissão Parlamentar de Inquérito Mista (CPMI) do Banestado, que forneceu os primeiros documentos sobre lavagem de dinheiro obtido ilegalmente das privatizações, é o pontapé inicial do novelo que se desenrola até as eleições presidenciais do ano passado. A comissão, provocada por denúncias feitas pela revista Isto É, em matéria assinada pelo próprio Ribeiro Jr. e por Sônia Filgueiras, recebeu da promotoria de Nova York, e foi obrigada a repassá-lo à Justiça de São Paulo, um CD com a movimentação de dinheiro de brasileiros feita pelo MTB Bank, de NY, fechado por comprovação de que lavava dinheiro do narcotráfico, do terrorismo e da corrupção, por meio de contas de um condomínio de doleiros sul-americanos.
O material era uma bomba, diz o jornalista, e provocou a “Operação Abafa” da comissão de inquérito, pelo seu potencial de constranger tanto tucanos, como petistas (a CPMI funcionou no primeiro ano do governo de Luiz Inácio Lula da Silva, em 2003).
Amaury Ribeiro conta de forma simples intrincada operações de esfria/esquenta dinheiro ilegal – e, de quebra, dá uma clara ideia de como operava a “arapongagem tucana” a mando de Serra. Até o livro, as acusações de que Serra fazia dossiês para chantagear inimigos internos (do PSDB) e externos eram só folclore. No livro, ganham nome, endereço e telefone.
Nos próximos parágrafos, estão algumas das histórias contadas por Amaury Ribeiro Jr., com as fontes. Nada do que aponta deixa de ter uma comprovação documental, ou testemunhal. É um belo roteiro para a grande imprensa que, se não acusou até agora o lançamento do livro, poderia ao menos tomá-lo como exemplo para voltar a fazer jornalismo investigativo.

1. A arapongagem da turma do José Serra (pág. 25) – Quando ministro da Saúde do governo FHC, José Serra montou um núcleo de inteligência dentro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) (a Gerência Geral da Secretaria de Segurança da ANVISA). O núcleo era comandado pelo deputado Marcelo Itagiba (PSDB-RJ), também delegado. O grupo foi extinto quando a imprensa denunciou que o grupo bisbilhotava a vida dos funcionários. O funcionário da Agência Brasileira de Informações Luiz Fernandes Barcellos (agente Jardim) fazia parte do esquema. Também estava lá o delegado aposentado da Polícia Federal Onézimo de Graças Souza.
Este núcleo, mesmo desmontado oficialmente, teria sido usado por Serra, quando governador, para investigar os “discretos roteiros sentimentais” do governador de Minas, Aécio Neves, no Rio de Janeiro. De posse do dossiê, Serra teria tentado chantagear Aécio para que o governador mineiro não disputasse com ele a legenda do PSDB para a Presidência da República. O agente Jardim, segundo apurou Amaury, fez o trabalho de campo contra Aécio. (Fontes: O agente da Cisa Idalísio dos Santos, o Dadá, conseguiu informações sobre o núcleo de arapongagem de Serra e teve a informação confirmada por outros agentes. Para a “arapongagem” contra Aécio, o próprio Palácio da Liberdade).
2. O acordo entre Serra e Aécio (págs. 25 a 28) – Por conta própria, Ribeiro Jr., ainda no “Estado de Minas” e sem que sua apuração sobre a arapongagem de Serra tivesse sido publicada, retomou pauta iniciada quando ainda trabalhava no “Globo”, sobre as privatizações feitas no governo FHC. Encontrou a primeira transação do ex-tesoureiro de campanha de FHC e Serra, Ricardo Sérgio de Oliveira: a empresa offshore Andover, com sede nas Ilhas Virgens Britânicas, que injetava dinheiro de fora para outra empresa sua, em São Paulo, a Westchester. (Fontes: cartórios de títulos e documentos e Juntas Comerciais de São Paulo e do Rio).
Nos mesmos papéis, encontrou outro personagem que usava a mesma metodologia de Oliveira: o genro de Serra, Alexandre Bourgeois, casado com Verônica Serra. Logo após as privatizações das teles, Bourgeois abriu duas off-shores no mesmo paraíso fiscal – a Vex Capital e a Iconexa Inc, que operavam no mesmo escritório utilizado pelo ex-tesoureiro, o do Citco Building. (Fonte: 3° Cartório de Títulos e Documentos de São Paulo).
Amaury ligou para assessoria de Serra no governo do Estado e se deu mal: as informações, das quais queria a versão do governador, serviram para que o tucano paulista ligasse para Aécio e ambos aparassem as arestas. O Estado de Minas não publicou o material.

3. Ricardo Sérgio de Oliveira, Carlos Jereissati e a privatização das teles
- O primeiro indício de que a privatização das teles encheu os cofres de tucanos apareceu no relatório sobre as movimentações financeiras do ex-caixa de campanha Ricardo Sérgio de Oliveira que transitou pela CPMI do Banestado. A operação comprova que Oliveira recebeu propina do empresário Carlos Jereissati, que adquiriu em leilão a Tele Norte Leste e passou a operar a telefonia de 16 Estados. A offshore Infinity Trading (de Jereissati) depositou US$ 410 mil em favor da Fanton Interprises (de Ricardo Sérgio) no MTB Bank, de Nova York.
Comprovação do vínculo da Infinity Trading com Jereissati: Relatório 369 da Secretaria de Acompanhamento Econômico; documentos da CPMI do Banestado.
Comprovação do vínculo de Oliveira com a Franton: declaração do próprio Oliveira, à Receita Federal, de uma doação à Franton, em 2008.
4. Quando foi para a diretoria Internacional do Banco do Brasil, Ricardo Sérgio tinha duas empresas, a Planefin e a RCM. Passou a administração de ambas para a esposa, a desenhista Elizabeth, para assumir o cargo público. Em 1998, a RCM juntou-se à Ricci Engenharia (do seu sócio José Stefanes Ferreira Gringo), para construir apartamentos. Duas torres foram compradas pela Previ (gerida pelo seu amigo João Bosto Madeira da Costa) ainda na maquete. A Planefin entrou no negócio de Intenet recebeu líquido, por apenas um serviço, R$ 1,8 milhão do grupo La Fonte, de Carlos Jereissati, aquele cujo consórcio, a Telemar, comprou a Tele Norte Leste (com a ajuda de Ricardo Sérgio, que forneceu aval do BB e dinheiro da Previ à Telemar).

5. Em julho de 1999, a Planefim comprou, por R$ 11 milhões, metade de um prédio de 13 andares no Rio, e outra metade de outro edifício em Belo Horizonte.
As duas outras metades foram compradas pela Consultatum, do seu sócio Ronaldo de Souza, que morreu no ano passado. Quem vendeu o patrimônio foi a Petros, fundo de pensão dos funcionários da Petrobras, reduto tucano. O dinheiro para pagar a metade de Ricardo Sérgio nos imóveis veio da Citco Building, nas Ilhas Virgens Briânicas, a mesma “conta-ônibus” de doleiros que viria a lavar dinheiro sul-americano sujo, de várias procedências.
Amanhã, a Carta Maior contará o que o livro de Amaury Ribeiro Jr. revela das operações feitas pela filha e genro de Serra, Verônica e Alexandre Bourgeois, e pelo primo Gregório Marín Preciato.

sábado, 10 de dezembro de 2011

O QUE ACONTECERIA CASO NÃO PAGÁSSEMOS?

A pergunta do título tem a ver com o glorioso MT-SAÚDE (?) e com nós funcionários do estado do Mato grosso que pagamos religiosamente esse plano que vem descontado em nossos holerites por contrato firmado e assinado. Estamos todos os funcionários cumprindo nossa parte. E ai é que a pergunta se impõe. E eles (MT-SAÚDE, está?). Tenho ouvido e presenciado coisas no mínimo vergonhosas com colegas sejam eles profissionais da educação ou de outras secretarias por conta do tal do MT-SAÚDE (SIM NOVAMENTE!).
São pessoas com procedimentos cirúrgicos marcados, com consultas e exames marcados que simplesmente não conseguem algo que todos têm o direito por pagarem e NÃO ESTÃO PEDINDO FAVOR NENHUM. Entendo que médios clínicas e laboratórios por não aceitem o tal PLANO, afinal não recebem. Vivemos em um regime capitalista. Quem paga recebe pelo que pagou, aliás, em qualquer regime é assim. Mas para alguns isso não funciona. Recebem mas não dão a contrapartida. Parece ser este o caso do MT SÁUDE.
Pelo menos essa é a explicação para não atenderem a milhares de funcionários que muito precisam deste serviço.
Outra pergunta se impõem. E o governo que está fazendo para resolver esse problema? Mas para resolver de verdade e não a enrrolação que são acostumados.
Outra pergunta. E o SINTEP? O que está fazendo? Telefonei três vezes para o sindicato. Na primeira o responsável não estava. Na segunda estava em um encontro no Hotel Fazenda. No terceiro ainda continuava no tal encontro. Deixei o celular e o telefone fixo que me foi pedido. Fazem mais de vinte dias e até agora aguardo o retorno.
Sempre estive ao lado do SINTEP, me filiei em 1988 quando aqui cheguei com minha família. Participei ativamente de todos os movimentos, fui membro e presidente da subsede de Diamantino. Não estou de maneira nenhuma revindicando privilégios. Apenas o que é de direito meu e de todos aqueles que têm descontado todos os meses de seu holerite uma determinada importância. Não estou reclamando do valor desta contribuição, mas de que o atendimento aqui em nossa cidade quase inexiste. Apenas alguns abnegados ainda aceitam. A maioria dos profissionais de saúde simplesmente cortou o atendimento. E nós como ficamos? Minha vontade é de escrever um palavrão, mas não e a hora nem o momento, muito menos o veículo adequado.
Voltando ao SINTEP sou do tempo que este sindicato lutava por uma Escola Pública e de Qualidade, por uma carreira digna para os Profissionais de Educação do nosso estado. Parece-me que agora se transformaram em algo contra o qual sempre lutamos. Estou falando PELEGOS (será que o termo mudou? Tudo está mudado). Pode parecer precipitação minha, pois não recebi nenhuma comunicação de que alguma coisa está sendo feita, portanto estou no meu direito de reclamar. E não me venham com a história de política a não ser política de saúde, que está uma droga para nós funcionários.
E o diretores do MT-SAÚDE, os anteriores e atuais que deixaram as coisas chegarem a este ponto. Não vão ser responsabilizados? Ou ninguém é culpado? Ou pior ainda somos nós os funcionários os culpados. Talvez por acreditarmos em pessoas no mínimo incompetentes. Para não falar de outras coisas já que não temos NENHUMA notícia concreta sobre o assunto, a não, ser boatos. E sobre boatos não vou falar. Alguém que tenha alguma informação “verdadeira”, por favor, me mande pelo blog, pelo telefone celular (99066306) ou pelo fixo 33361456, por carta, por e-mail, por telegrama, por sinal de fumaça, mas mandem caso saibam de algo concreto.
Antes que perguntem se precisei do serviço do MT-SAÚDE respondo. Sim. A Drª Mariza me atendeu sem problema, incluo ai o laboratório do Farmacêutico Bioquímico Drº Itamar. Tive a sorte de contar com esses profissionais. Que logo não vão aguentar a falta de pagamento e com certeza irão para de atender. E não adianta reclamar. Eles estão certos, quem trabalha quer receber. O que é absolutamente justo. Como é justo quem paga um plano como nós tem o direito de usufruir deste plano.
Não é minha intenção com este texto ofender absolutamente ninguém, apena penso que devemos exercer nossos direitos. É o que estou fazendo e vou continuar. Não penso só em na minha pessoa, mas nos colegas independentes de que secretaria na exerçam suas funções que estejam com a saúde debilitada, necessitando de atendimento médico. Como ficam? Será que o presidente, diretor, ou seja, lá o que for do MT-SAÚDE nunca precisou ser atendido? E o governador. Os demais secretários? No caso da Educação talvez seja mais fácil, afinal ele é medico e pode se autoatender.
Com a palavra quem pode informar com segurança, certeza e VERDADE acima de tudo.
JOSÉ WALDEMAR M. GENRO_PROFESSOR APOSENTADO (NÃO INATIVO) _MATRÍCULA 33269001.6 OU.
PROFº_FUMAÇA GENRO BLOG WWW.fucalima2010@blogspot.com
RÁDIO _WWW.musicapura.listen2myradio.com

domingo, 4 de dezembro de 2011

A HOMENAGEM DO BLOG A ESTE GRANDE BRASILEIRO. CONCORDO EM TUDO COM O TEXTO QUE MOSTRA SER ELE UM CRAQUE TAMBÉM COM AS PALAVRAS.

Alguns sonham outros não



EU TENHO UM SONHO.”
            Sócrates Brasileiro Sampaio de Sousa Vieira de Oliveira NA REVISTA CARTA CAPITAL NA EDIÇÃ DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Nº674
Essa frase praticamente define a ação do grande líder Martin Luther King (o rei da causa negra, eu diria), que passou a vida lutando pela igualdade de direitos entre brancos e negros nos Estados Unidos, em um tempo que privilegiava o homem branco no transporte, nas escolas, na cidadania. Foi assassinado em 1968 exatamente por lutar pelas conquistas que ele ajudou a serem alcançadas. Com destemor e liderança, enfrentou os maiores obstáculos, insurgiu-se contra a guerra e a discriminação. Marcou época em um período de grandes transformações sociais.
O mesmo ano de 1968 ficou marcado pelas manifestações dos estudantes na Sorbonne parisiense, que ergueram barricadas em sua luta por mudanças. “Nós somos judeo-alemães”, era o grito que ecoava; queriam demonstrar que todos somos iguais, sejamos negros, sejamos árabes ou brancos. Esse era o slogan daquela juventude que lutava por liberdade, autonomia e independência. Provocaram muitas mudanças, colocaram de cabeça para baixo qualquer tradição ou vício social. Antes, as mulheres eram tratadas como menores e as opções sexuais como fantoches. Daniel Cohn-Bendit simbolizou aquele movimento. Dani, como todos os outros, também tinha um sonho.
Elien Sirleaf, a primeira mulher a ser eleita presidente da Libéria; Leymah Gbowee, também liberiana e que liderou a chamada greve de sexo de suas compatriotas; e Tawakul Karrnan, ativista iemenita, figura fundamental no país onde praticamente se iniciou a Primavera Árabe, que derrubou boa parte dos antigos regimes de várias nações árabes neste ano, foram agraciadas pelo Nobel da Paz de 2011 por suas lutas pelos direitos das mulheres africanas, pela paz e pela democracia. Essas fortes mulheres também têm um sonho.
Nelson Mandela lutou a vida toda contra o apartheid, termo que explicita a segregação racial então vigente na África do Sul, onde a população negra não possuía os mesmos direitos políticos, sociais e econômicos que a minoria branca. Por isso permaneceu preso durante 26 anos. Nelson é autor de frases definitivas como: “Sonho com o dia em que todas as pessoas se levantarão e compreenderão que foram feitos para viver como irmãos” ou “não há caminho fácil para a liberdade”. Ou ainda “a queda da opressão foi sancionada pela humanidade e é a maior aspiração de cada homem livre” e “urna boa cabeça e um bom coração formam urna formidável combinação”.
Mandela até hoje corre atrás dos seus sonhos e aspirações de liberdade, igualdade e fraternidade entre os homens. Um belo exemplo de compromisso com seu povo e com a humanidade.
Entre os brasileiros também encontramos idealistas natos, como Luiz Carlos Prestes, que doou sua vida e até acompanhou a morte da mulher Olga, assassinada em um campo de concentração nazista, por uma causa onde a justiça e a igualdade eram os valores proeminentes. Ou Antonio Conselheiro, líder de Canudos, cuja guerra foi tão bem relatada por Euclides da Cunha em Os Sertões. Com a gente paupérrima e sofrida pela fome, seca e falta de perspectiva econômica e social, ele criou uma comunidade de pura sobrevivência e que foi esmagada pelo Exército brasileiro. Corno se perigosos fossem. O único perigo, como sempre, era o do exemplo que poderiam dar a gente com os mesmos problemas. Eles também sonharam.
Inversamente, há poucos dias, o presidente da Fifa veio a público para dizer que não há racismo no futebol e que as agressões que ocorrem dentro de campo poderiam ser resolvidas com um simples aperto de mãos. Uma visão cega e fascista da realidade. Os negros estão expostos na sociedade ocidental desde sempre e isso não desapareceu. A reação foi imediata e o fez recuar, mas um pensamento não desaparece por causa do que provoca. Tentar esconder algo tão incrivelmente absurdo é de uma ingenuidade que um ser de 70 anos não tem o direito de possuir. Pior, utilizar análises simplistas como essa, para encobrir a realidade daquilo que comanda, é pura perversão de caráter. Nada mais endêmico (junto com a corrupção) entre aqueles que comandam o futebol. Certamente os negros de todo o planeta se sentiram agredidos, menos um. Pelé. Que de preto parece ter somente a cor da pele. Ele não só corroborou coma tese de Blatter como acrescentou outras bobagens nascidas de seu pseudoíntelecto. De uma coisa sabemos de há rnuito tempo. Pelé jamais sonhou com o quer que seja. •
WWW.OARTACAPITAL.CCMBR

Após terceira internação, ex-jogador Sócrates morre em São Paulo. A NOTÍCIA É TRISTE PARA TODOS NÓS BRASILEIROS INDEPENDENTE PARA QUE TIME TORCEMOS. ELE ERA ANTES DE TUDO UM CIDADÃO, UM BRASILEIRO ATÉ NO NOME.

Ex-atleta não resiste a consequências de um choque séptico sofrido na última quinta-feira e falece na madrugada deste domingo
Por GLOBOESPORTE.COM São Paulo
O ex-jogador Sócrates Brasileiro Sampaio de Sousa Vieira de Oliveira morreu às 4h30 da madrugada deste domingo, em consequência a um choque séptico, no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Ele tinha 57 anos e era pai de seis filhos.
Relembre a carreira de Sócrates

Sócrates estava internado deste quinta-feira à noite, depois de ter se sentido mal durante o jantar. O quadro clínico dele chegou a apresentar leve melhora neste sábado, graças a um antibiótico mais potente, que fez regredir o quadro de infecção intestinal. Mas os médicos já vinham alertando que o caso dele era grave – Sócrates estava sedado na UTI, respirando por aparelhos e passando por tratamento dialítico, que consiste na remoção do excesso de líquidos e substâncias prejudiciais acumuladas no organismo do paciente renal crônico. A expectativa era que ele permanecesse em observação por pelo menos 72 horas.
O ex-jogador foi internado na noite de quinta-feira com uma infecção intestinal causada por uma bactéria. Ele começou a se sentir mal depois de comer estrogonofe no jantar. Não foi confirmado pelos médicos, porém, que tenha sido essa a causa da internação.
E sta tinha sido a terceira internação de Sócrates nos últimos quatro meses. As duas internações anteriores foram para tratar de uma hemorragia digestiva, causada pelo consumo prolongado de álcool.
A última internação havia sido em setembro. Foram 17 dias no hospital. Com o fígado comprometido, a expectativa na época era de que ele precisaria se reabilitar em casa, seguindo uma dieta rigorosa, para entrar na fila por um transplante. Para isso, porém, era preciso que seu quadro clínico ficasse estável por alguns meses.
A primeira vez que ele foi hospitalizado ocorreu no dia 19 de agosto, quando sofreu uma hemorragia digestiva alta. Na ocasião, ele recebeu alta após nove dias.
Sócrates começou a carreira de jogador no Botafogo, de Ribeirão Preto, foi contratado pelo Corinthians no fim da década de 70 e vendido para Fiorentina, da Itália, nos anos 80. Também jogou no Flamengo e no Santos e pela Seleção Brasileira.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

olá, SOU DOUTOR FULANO DE TAL, SEU ENFERMEIRO_ESTE TEXTO FOI RETIRADO REVISTA "CIÊNCIA HOJE" DA "SOCIEDADE BRASILEIRA PARA O PROGRESSO DA CIÊNCIA_SBPC".UMA REVISTA SÉRIA E COM RIGOR CIENTÍFICA. O TEXTO ESTÁ NA SEÇÃO "SINTONIA FINA" NAS PÁGINAS 18 1 19 DO MES DE NOVEMBRO. É PARA PENSARMOS NESTA HISTÓRI DE DOUTOR.

O Neiv York Times deu destaque a assunto que (in)diretamente tem muito a ver com o Brasil. E, apesar de só esbarrar em questões da ciência, vale explorá-lo aqui.
Antes, porém, algum contexto.
Engenheiro estrangeiro que viveu cerca de 10 anosno Brasil, ao ser perguntado sobre sua pior impressãodo país, sem titubear, dispara: “A de ser chamado do outor”. O interlocutor pede explicação. E vemela: o fato de os mais pobres e humildes aplicarem esse título aos mais abastados. Por aqui,o qualificativo, por vezes, é também imposto de cima para baixo. Caso emblemático: um juiz que conseguiu na justiça — e o mais impressionante é o fato de um colega, desembargador, ter cedido ao pedido — liminarexigindo que o porteiro do prédio dele o chamasse... ‘doutor’.
Em tempo: o lado justo da história foi que a mídia fez pouco do ‘doutor’ e, mais tarde, a liminar foi cassada por juiz de bom-senso — este, sim, vale ter o nome citado aqui, Alexandre Eduardo Scisinio—, que alegou: “Doutor não é forma de tratamento, e sim título acadêmico utilizado apenas quando se apresenta tese a uma banca e esta a julga merecedora de um doutoramento.
Emprega-se apenas às pessoas que tenham tal grau. e mesmo assim no meio universitário”. Perfeito.]
No Brasil, tem sido costume chamar ‘doutor’ os portadores dos diplomas das três profissões imperiais; médicos, advogados e engenheiros. E, nas últimas décadas, tudo indica, basta ocupar um cargo de chefia (ou ter poder) para ser elevado a tal nível. Por aqui, doutor (ou professor doutor), como apontou o sábio juiz, é aquele que defendeu tese de doutorado em instituição reconhecida pelo governo — o irônico é que esses, em geral, não fazem questão do título.
Voltando ao NYT. Enquanto, no Brasil, todos com algum status social parecem ser ‘doutores’, nos EUA o termo é sinônimo de médico — mas, vale ressaltar que, lá também, nada tem a ver com o título de doutorado.
Desde 2004, nos EUA, para praticar a profissão, farmacêuticos devem ter o título de doutor. A partir de 2015, a exigência se estenderá a fisioterapeutas e enfermeiros. A alegação nada tem a ver, dizem esses conselhos de classe, com ser ou não chamado ‘doutor’, mas, sim, com aperfeiçoamento profissional.
Ano passado, informa a reportagem, cerca de 150 faculdades formaram em torno de 7 mil doutores em prática de enfermagem, título que leva algo como três anos a mais de estudo, após completada a graduação. Enfermeiras anestesistas também precisarão do título em breve. Ao todo, o país tem algo como 375 mil mestres e 28 mil doutores em enfermagem.
As entidades de classe médica se dizem contra, pois temem perder o ‘doutor’ que os identifica por séculos, alegam. Estados norte-americanos já proibem
o vírus veio de uma proteína (no vocabulário da área, imunoglobulina G ou IgG) que reconhece e se liga a V2, porção pouco estudada — eufemismo para ignorada — das proteínas da superfície do HIV. Pessoas cujo organismo produz essa proteína, segundo as análises, têm 43% a menos de chance de contrair o vírus.
Já aqueles que produzem a proteína IgA apresentaram risco 54% maior de contrair o HIV, comparados a indivíduos sem esse anticorpo.
Na prática, tudo isso pode soar como minúcias bioquímicas, e os autores reafirmam aquele discurso do otimismo cuidadoso, chavão nessas horas: é só uma hipótese, uma suspeita etc.
Eu enfermeiros, farmacêuticos e fisioterapeutas se designem ‘doutores’ sem, em seguida, identificarem sua profissão.
médicos, por sua vez, dizem que o uso generalizado do ‘doutor’ poderia confundir o paciente.
A reportagem do NYT diz que, por trás da querela, estão autonomia, briga por maiores salários e poder para prescrever medicamentos. Dos 51 estados norte-americanos, 23 deles permitem que enfermeiros façam consultas sem supervisão ou colaboração de médicos no Brasil, enfermeiros podem fazer a chamada consulta de enfermagem, bem como prescrever medicamentos e exames, desde que esses itens constem de um protocolo autorizado por cada município.
Para um dos representantes de classe dos médicos entrevistados pelo diário norte-americano, a obrigatoriedade do título é apenas um subterfúgio para obter independência para praticar exames e prescrever. Para a presidente do Colégio de Enfermagem dos EUA, isso não é verdade. Ela alega que enfermeiros estão orgulhosos com a profissão e, se quisessem ser médicos, teriam ido para a faculdade de medicina.
Seja lá, seja aqui, sob o título ‘doutor’, escondem-se interesses e mazelas. Lá, parece ser questão de corporativismo de classe e de reserva de mercado; aqui, resquício de uma desigualdade social de séculos, que (ainda) divide o país em ‘doutores’ e ‘não doutores’.
E, no final das contas, como resumiu um doutor (de verdade) ao escutar sobre a história do juiz exigente:
“Senhor e senhora são tratamentos de respeito; portanto, apropriado a todos.”

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

NÃO RESISTI AO BOM HUMOR DESTE TEXTO ENVIADO PELO AMIGO PEDRO MAIA.

É UMA SIMPLES CONTRIBUIÇÃO DE UM CUIABUCHO_Como surgiu a expressão Tchê

       Este texto foi retirado de um blog que participo chamado PAPODEBUTIQUIM      
     Sotaques e regionalismos na hora de falar são conhecidos desde os tempos de Jesus. Todos na casa do sumo sacerdote reconheceram Pedro como discípulo de Jesus pelo seu jeito "Galileu" de se expressar.
          No Brasil também existem muitos regionalismos. Quem já não ouviu um gaúcho dizer: "Barbaridade, Tchê"? Ou de modo mais abreviado "bah, Tchê"?
Essa expressão, própria dos irmãos do sul, tem um significado muito curioso.
          Para conhecê-lo, é preciso falar um pouquinho do espanhol, dos quais os gaúchos herdaram seu "Tchê".
          Há muitos anos, antes da descoberta do Brasil, o latim marcava acentuada presença nas línguas europeias como o francês, espanhol e o português. Além disso, o fervor religioso era muito grande entre a população mais simples.
          Por essa razão, a linguagem falada no dia, era dominada por expressões religiosas como: "vá com Deus", "queira Deus que isso aconteça", "juro pelo céu que estou falando a verdade" e assim por diante.
           Uma forma comum das pessoas se referirem a outra era usando interjeições também religiosas como: "Ô criatura de Deus, por que você fez isso"? Ou "menino do céu, onde você pensa que vai"? Muita gente especialmente no interior ainda fala desse jeito.
           Os espanhóis preferiam abreviar algumas dessas interjeições e, ao invés de exclamar "gente do céu", falavam apenas Che! (se lê Tchê) que era uma abreviatura da palavra caelestis (se lê tchelestis) e significa do céu. Eles usavam essa expressão para expressar espanto, admiração, susto. Era talvez uma forma de apelar a Deus na hora do sufoco. Mas também serviam dela para chamar pessoas ou animais.
           Com a descoberta da América, os espanhóis trouxeram essa expressão para as colônias latino-americanas. Aí os Gaúchos, que eram vizinhos dos argentinos e uruguaios acabaram importando para a sua forma de falar.
          Portanto exclamar "Tchê" ao se referir a alguém significa considerá-lo alguém "do céu". Que bom seria se todos nos tratássemos assim. Considerando uns aos outros como gente do céu.

Um abraço, Tchê!




sábado, 26 de novembro de 2011

SINCERAMENTE EU GOSTARIA DE DIZER QUE A PROFESSORA ESTÁ TOTALMENTE ERRADA, MAS NÃO POSSO.

Professor, espécie em extinção, por Janice Rodrigues Gomes*- MATÉRIA RETIRADA DO JORNAL ZERO HORA DE PORTO ALEGRE DIA 26/11/2011

          A população o enxerga de maneira dúbia, ora mocinho, ora vilão. A profissão, há tempos, vem perdendo o seu valor. Todavia, o que a sociedade deve reconhecer é que necessita do professor. Não apenas para educar. O papel docente exerce função social ímpar na vida de um cidadão, ultrapassa os limites da sala de aula. Porém, apesar de essencial, poucos ainda sonham em ser professor. Escolhe licenciatura, na maioria das vezes, aquele que não conseguiu ingressar em outro curso – mais concorrido ou mais oneroso. Assim, opta por uma atividade que deveria tão somente ser escolhida pela vocação, sem a qual não há como educar.

          Exige extrema aptidão entrar em uma turma repleta de crianças ou adolescentes, dispondo de parcos recursos, ter de contentar a todos, em meio a incontáveis obstáculos, sair da turma e entrar em outra quase idêntica. Geralmente, o mestre acaba o dia frustrado, volta para casa carregado de materiais para corrigir ou outra aula para preparar, permanece na lida até certa hora da madrugada e, no outro dia, recomeça. Haja vocação!

          Ninguém o obrigou a escolher essa profissão. Escolheu? Suporta. A sociedade, sem refletir, faz eco a tais expressões. Muitos sequer imaginam o quão frustrante é enfrentar tantos percalços e não ter o almejado apoio, nem da comunidade escolar, nem da própria família, os quais ainda complementam os comentários com frases como “Professor? Vai morrer de fome!”. Provavelmente por esses e tantos outros motivos, cada vez menos se procure a profissão. Mesmo aqueles que têm a vocação preferem arriscar-se em outras áreas a terem seus sonhos mutilados.

          Não obstante, sabe-se do prejuízo à nação se, hoje, todos abandonassem o ofício. E se os professores dessem a batalha por vencida? A população certamente ficaria revoltada. Tanto que, mesmo com a baixa adesão à atual greve do magistério, a maioria do povo é contrária à causa. As férias, os sábados, tudo parece mais importante do que ouvir as angústias desses profissionais. Não é à toa que o Rio Grande do Sul tem perdido posições em avaliações como o Enem. É preciso que a sociedade esteja ao lado do professor, e não contra ele, preferindo pensar no quanto suas férias ficariam comprometidas com uma greve. O egoísmo cega aqueles que pensam assim e os torna ignorantes, a ponto de não compreenderem o valor imensurável dessa profissão. Valor que ultrapassa os limites monetários.

*PROFESSORA DA REDE PRIVADA DE ENSINO

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

MUITAS E MUITASVEZES A INTERNET É UM LIXO.

          Antes que pensem qualquer coisa quero dizer que não ví o vídeo. Li e esutei pessoas que viram e acredito no que elas falaram por serem pessoas bem intencionadas e não vi não por carolice, apenas que não me chamou atenção.
          Estou falando de um filme  que circula na rede mostrando  Ronaldinho Dentuço se masturbadno. Acho algo tão sem fundamento, tão idiota que sinceramente é de se perguntar. Quem é capaz de uma coisa dessas? O vídeo é verdadeiro? Não sei e não me  interessa. O que mais me impressiona é a importância que um assunto desse tipo recebe da mídia como um todo. Certas plataformas ditas sérias,  são as primeiras a criticar certas coisas no nosso Brasil e as vezes o fazem com razão, são as primeiras a dar importância a um fato no mínimo lamentável como esse.
          Esse é a razão do título  MUITAS VEZES A INTERNET É UM LIXO, nesse assunto é pior. Lixo tem utilidade. Serve de adubo, dá trabalhao honesto a muitas pessoas, pode ser reciclado e  poupar o meio ambiente. Esse assunto só merece  desprezo e indignação.

PROF.º FUMAÇA GENRO DE DIAMANTINO-MT
PROGRAMA MÚSICA PURA TODOS OS SÁBADOS NA RÁDIO PARECIS 690 AM DAS 17:0O ÀS 19:00